Fair & Lovely: Estética e Modernidade no mercado Asiático do Martim Moniz

Introdução

Há uma vasta literatura sobre beleza e de que forma ela é reunida em imagens euro-centradas, onde a pele branca corresponde a um ideal de beleza a alcançar, mesmo em populações originariamente não brancas (Africanos, Afrodescendentes e Asiáticos)[1]. Sobrepondo-se, também, a áreas como estudos de género; feministas, psicologia; filosofia; comunicação; estudos culturais etc., no que concerne ao âmbito que envolve migrações, de forma surpreendente, pouca ou nenhuma investigação é realizada sobre os ideais de beleza que concorrem no imaginário de populações migrantes, e de que forma essas conceções são moduladas por pressões externas aos indivíduos, levando-os muitas vezes a adotar comportamento e práticas que comportam riscos para a sua saúde[2].

Uma dessas práticas consiste no uso de produtos cosméticos que visam tornar o tom de pele mais claro – mais branco – onde uma indústria farmacêutica e cosmética crescente tem vindo a ganhar espaço nas últimas décadas. Desde formulações home-made até poderosas empresas multinacionais, os cosméticos que advogam poder aclarar o tom de pele de um individuo encontram-se regularmente em qualquer local de venda: mercados, supermercados, perfumarias, farmácias, vendas online ou tutoriais na internet que ensinam tratamentos passíveis de serem formulados em casa. Contendo muitas vezes químicos altamente nocivos quer para a pele quer para a saúde global – como hidroquinona, corticoides, mercúrio, ácido salicílico, hipoclorito ou detergentes[3]  – a sua eficácia e segurança tem uma correlação positiva com o seu preço, local de venda e população-alvo. O poderoso lobby cosmético atua de formas diversas, desde utilizando terminologias como perfect, glow, pure, shine … associado a uma pele branca, ou referindo outros ingredientes – dependendo do seu posicionamento geográfico – relacionados a um contexto histórico de aproximação e de confiança: medicina ayurvédica; extratos herbais; extratos de fruta, ginseng ou açafrão[4] cujo objetivo é, exclusivamente, aumentar as suas vendas e lucros.

Um estudo conduzido por Christopher Charles em 2011[5]  sobre os produtos de branqueamento vendidos em Harlem (Nova York, USA) e a análise das imagens a eles vinculada sugerem que clarear a pele é socialmente admissível, e a questão não é apenas torna-la mais branca, mas sim, propagandeiam, mais “saudável, macia e bonita”.

Este artigo surge, deste modo, como uma introdução ao trabalho de investigação que estou a desenvolver na área do Martim Moniz, em Lisboa, e que aponta a venda de produtos de branqueamento de pele em lojas de comércio dito “étnico”. Com foco nas populações de origem indiana e chinesa – escolhidas por uma questão de representatividade, uma vez que o seu perfil migratório para Portugal é não apenas antigo como também em grande número –  analisando a indústria de produtos para branquear a pele e os anúncios que circulam de forma global e local, proponho pensar a tentativa de aquisição de “capital estético branco”[6] percecionada como um eficaz meio de acesso a imaginários de modernidade e cosmopolitismo, transpondo ideias de sofisticação, sucesso e poder[7].

Antes de expor os dados do trabalho de investigação que se encontra ainda em forma embrionária, é necessária proceder a uma contextualização e definir um mapa conceptual, onde se articulam os conceitos com os quais se estão a trabalhar. Desta forma, inicialmente surge a necessidade de perceber o que se entende por beleza/beleza hegemónica e como esta se pronuncia na vida dos sujeitos. Em seguida, é fundamental revisitar a literatura sobre os processos de branqueamento de pele nos países asiáticos, especialmente uma retrospetiva histórica e social do porquê a beleza ideal ser associada a uma pele branca. De forma muito sumária, devido às restrições de espaço e objetivo deste artigo, foram reunidas algumas ideias que podem levar à melhor compreensão deste fenómeno em toda a sua amplitude, o que não significa que este assunto não careça de uma análise mais detalhada. Não sendo exclusivo do género feminino, mas com forte ascendente sobre este, o tónus da “beleza ideal” alicerçada na compleição física imaculada será sempre focado na ótica feminina.

A beleza como Valor/o valor da Beleza

Estudos sobre a beleza na perspetiva feminina cruzam-se de forma constante com as teorias feministas. Com abordagens mais ou menos abrangentes, os seus pontos de vistas podem também sugerir diferentes orientações. Naomi Wolf, Sandra Bartky e Susan Bordo são conceituadas teóricas feministas que criticam a forma recorrente com que o “valor” da mulher é atribuído consoante o seu padrão físico e que sofre com as imposições culturais e sociais da época em que esta está inserida. Naomi Wolf [8] sustenta esta ideia denominando-a de “mito da beleza”, perpetuada através da cultura do patriarcado dominante e que, evidenciada desde cedo às crianças do sexo feminino, as faz interiorizar que o seu valor e a sua identidade estão intimamente relacionados com o seu aspeto físico, colocando-as em constante posição subalterna.

Já muito bem documentada[9], a beleza é sinónimo de aquisição de capital social (integração social), capital simbólico (auto-estima; estatuto) e capital económico (melhor trabalho, salário e mobilização profissional). No contexto feminino, a beleza física de uma mulher é considerada o seu principal capital, onde a sua aparência se torna central para o seu self e sucesso[10] e a sua aquisição pode ser entendida como uma forma de empoderamento e de agência[11] (12).

Atingir o físico feminino idealizado condiciona as mulheres nas suas atividades diárias, obrigando-as a policiarem-se, quer a si próprias quer às outras mulheres à sua volta. É através da auto-regulação e de outras técnicas controladoras que as mulheres monitorizam e disciplinam o seu corpo, de maneira a reproduzir a ordem social desejada[12]. A feminidade normativa, como Sandra Bartky (2003) a denomina[13], no entanto, é mais do que uma questão de estética e de aparência, dizendo respeito também a questões de estilo, comportamento e sexualidade[14].

Susan Bordo (2003) chama a atenção para a forma como o poder e as relações sociais são inscritas no corpo, as regras passadas através de um discurso corporal e qual a importância das imagens visuais que são transmitidas pelos média. São essas imagens que impõem como deve ser o corpo feminino, que cabelo deve ter, que roupa usar e até que expressões faciais e comportamentos são os mais adequados. Os média que articulam essas imagens são uma força central que produz conhecimento, reflete ideologias, dissemina ideias e leva à internalização destes[15]. A maneira como a mulher se embeleza, se maquilha, arranja o cabelo ou tenta alcançar a forma corporal desejável é uma maneira, então, de “fazer género”[16].

A aparência ideal feminina, tal como é difundida, envolve cânones como a juventude, a pele luminosa (clara), a cor dos olhos (grandes), a textura do cabelo (longo e liso) e a forma do corpo (com medidas padrão), muito centrada em formas normalizadas, homogeneizadas e, consequentemente, hegemónicas.

É fácil perceber, portanto, que o feminino ideal se construiu com base numa estética ocidentalizada, onde a pele branca é observada não apenas como bela mas também como sinónimo de feminilidade. Kathy Deliovsky (2008) sugere o conceito de normative white beauty, salientando que mais do que um ideal de perfeição a atingir, a feminilidade não só envolve as características já mencionadas mas é, inequivocamente, associada a valores morais que apenas uma mulher branca – caucasiana/anglo-saxónica – pode possuir. Longe de ser race-neutral[17]  a feminilidade é sempre imaginada como branca.

Partindo, então, da consciencialização de um paradigma de beleza ideal, que envolve noções de feminilidade mas também de moralidade – e que assentam exclusivamente em características fenotípicas –  proponho seguidamente pensar em como esse padrão é percecionado em locais como a Índia e a China.

Índia: aclarar a pele como estratégia

A Índia –  o segundo país mais populoso do mundo –  território de profundas assimetrias sociais possui uma economia crescente onde a venda de produtos cosméticos se afirma como um mercado em expansão, nos quais a procura de produtos de beleza para aclarar a pele constitui cerca de 50 % das vendas[18].

Com vários trabalhos[19] (21)(22)(23)(24)(25) neste âmbito já realizados, não constitui novidade afirmar que a pele clara é inequivocamente um ideal de perfeição e de beleza dentro da complexa hierarquia indiana, onde as próprias palavras claro (fair) e beleza são sinónimas[20]. Essa preferência possui raízes históricas bem cimentadas, onde, analisando diacronicamente, se percebe que na Índia antiga a beleza feminina era associada a uma compleição imaculada, sem falhas e que espelhava a beleza interior[21].

A própria cosmologia indiana, em paralelo com muitas outras, branco é sinónimo de luz, bondade e pureza, contrastando com o negro, que é negativo, mau e impuro[22]. O Ramayana[23] , um clássico poema épico de difusão generalizada por todo o sub-continente indiano, é disso exemplo: Sita, a esposa do herói Rama, sendo abduzida por um demónio e posteriormente resgatada pelo seu marido, é frequentemente usada como o exemplo da mulher ideal. A sua bondade, sensatez e fidelidade ao marido são louvadas, mas também as suas características físicas, e em especial, a sua beleza transposta para a pele branca. Ravana, o demónio e vilão, personifica não só todos os defeitos da humanidade, mas é descrito especialmente pela sua pele escura, que reflete o seu interior.

Outras teorias também se alicerçam sobre a preferência histórica pela pele branca, sugerindo que a discriminação de cor tem início com a entrada no território do povo Ariano e o domínio dos Dravidianos, com a pele mais escura[24]. Todo o sistema de castas, se bem que não hierarquizado em termos de cor de pele, mas sim por funções sociais, colocaria inicialmente os descendentes dos Arianos em posições mais nobres e que, devido ao restrito comportamento matrimonial, formariam uma pool genética[25].  Assim, atualmente é bastante percetível mesmo a olho nu que castas “superiores” possuem pele mais clara, enquanto que castas mais baixas – a que se associam também trabalhos poluídos e impuros – a indivíduos com pele mais escura.

Este complexo panorama social é reforçado com as sucessivas colonizações por europeus, desde o século XVII (portugueses, franceses, holandeses), vendo a sua expressão máxima durante o Período Colonial Britânico (1838-1947), que vai enfatizar o status da pele branca não só pelos seus privilégios evidentes mas também por dando preferência de funções laborais e cargos mais elevados a indivíduos nativos de cor de pele mais clara[26].

Deste modo, a pele quanto mais clara mais reforça e se revindica como símbolo de estatuto social, mas também económico, cultural e político.

Pensando em termos de género, na sociedade indiana tradicionalmente patriarcal o prestígio da mulher apenas é conseguido através do casamento[27], significando, portanto, que para se conseguir um bom compromisso matrimonial a aparência física deve obedecer às regras estipuladas. Os anúncios matrimoniais nos jornais corroboram esta ideia: pele clara (fair) é normalmente um adjetivo que figura nos três primeiros das características que se procura numa noiva ideal[28].

Por conseguinte, na atualidade observa-se que os média reforçam as atitudes pré-existentes da preferência por um tom de pele mais claro, disseminando imagens de beleza feminina centrada na pele branca[29]. Desde atores de televisão ou filmes de Bollywood, a concursos de misses ou a publicidade de produtos de consumo doméstico, os agentes envolvidos possuem invariavelmente um fenótipo mais claro que a população em geral[30].

As publicidades aos cremes branqueadores não só veiculam estas imagens como vão mais além, usando uma linguagem que une de forma inequívoca perfeição e beleza à pele branca, apelando assim à emoção dos consumidores. Associando beleza hegemónica a sucesso, utilizam celebridades locais para promover os seus produtos, aumentando a credibilidade na sua eficácia e tornando o ato de branquear a pele culturalmente mais aceitável[31].

A pele escura, no marketing dos produtos de branqueamento, é observada como algo negativo, um problema que tem solução: o uso de produtos cosméticos que branqueiam a pele, e que é da responsabilidade do individuo/consumidor o fazer na ótica de bio-investimento[32], envergonhando quem não o faz[33].  Para as mulheres – a quem os cremes de branqueamento se dirigem de forma mais constante – a pele escura é um obstáculo a melhorarem a sua condição de vida e o uso de cremes branqueadores pode “transformar as suas vidas”[34].

China: a pele como imagem de modernidade

A República Popular da China, não obstante de ser o país mais populoso do mundo, é uma nação com uma longa história composta por épocas distintas. Para contextualizar a pesquisa sobre a preferência dada à pele branca, é necessário proceder a uma retrospetiva histórica, no entanto, e por motivos logísticos, foquei neste artigo dois períodos do século XX que possuem ainda repercussões bastante vincadas nos padrões sociais vigentes – o Período Nacionalista (1912 – 1949) e o Regime Comunista (Era Mao Tse-tung 1949 -1976).

O Período Nacionalista (oficializado como República da China) – iniciado pelo movimento nacionalista que depôs a Dinastia Qing em 1911 e pondo fim à milenar linhagem de imperadores –  foi marcado por inúmeras guerras quer internas quer com países vizinhos. Os governantes, consternados com o desânimo que parecia contaminar socialmente as classes, estrategicamente procuraram estimular a moral nacional através do despertar da consciência para a necessidade de uma compleição fisicamente mais robusta[35], associando que características morais elevadas se deveriam refletir nos corpos dos cidadãos. O corpo tonificado através do exercício físico, a vida “saudável” e, consequentemente, a pele bronzeada pelas atividades ao ar livre surgem, pela primeira vez, como um imaginário a atingir[36],  representando não só a manifestação de admiração pelo conceito de lifestyle ocidental[37] – europeu e americano – mas também uma forma de quebrar com o passado histórico, observado como o originador do atraso económico, industrial e social profundo em que o país estava mergulhado. Neste ponto, a questão do aspeto da pele bronzeada é paradigmática: durante centenas de anos a demonstração do status social baseava-se na cor de pele branca como testemunho de não trabalho ao ar livre[38].

O Período Nacionalista finda em 1949, pela figura do líder Mao Tsé-tung e a instalação de um regime de governamentação comunista, onde o ocidente e os seus bens representativos começam então a ser percecionados como um modelo negativo e a exibição do estatuto social é desencorajada ou mesmo proibida. A mulher, aos olhos dos governantes do Partido Comunista Chinês, passa ao estatuto de igualdade ao homem, onde se afigura como livre das ditaduras da moda, séria e politicamente comprometida.

O corpo feminino, constantemente em escrutínio público, construído e desconstruído consoante os modelos vigentes, quer-se agora ombreado ao masculino[39]. O regime, preocupado com a eliminação da disparidade económica do país, observava os processos de embelezamento como um símbolo da opressão de género: ao reduzir a diferença entre o corpo da mulher e do homem, as autoridades entendiam que estavam a erradicar o sistema patriarcal de propriedade privada, liderando as mulheres à libertação[40]. Deste modo, a face feminina deveria ser limpa, sem maquilhagem, o cabelo curto, a roupa simples e o “self-adornment” considerado como um exemplo de mau gosto.

 A androgenia, a masculinização e o puritanismo quase ascético são, por conseguinte, o novo ideal de beleza[41].

Não obstante, o acesso a produtos estrangeiros – nomeadamente a cosméticos de qualquer tipo – era praticamente impossível. Disponíveis estavam, apenas, limitados produtos de higiene corporal, que teriam de ser fabricados dentro das regras do regime.

Com a morte de Mao Tsé-tung em 1976 e a sucessão de novos líderes – Deng Xiaoping foi fundamental neste processo – dá-se inicio à implementação de várias reformas económicas, designada “política de portas abertas”. A entrada da China no World Trade Organization em 2001[42] foi crucial na tentativa de re-localizar o país enquanto produtor e consumidor de bens, onde o impacto da entrada na nova era comercial se traduziu em inúmeras transformações quer nas estruturas sociais quer nos ideais de vida, que comportam agora novos conceitos de beleza e como se observa a manipulação do corpo[43].

As modificações corporais, proibidas pela ideologia confucionista de piedade filial e desencorajadas pelo poder comunista, são agora percebidas como um símbolo de emancipação e desenvolvimento: o acesso ao mercado de cosméticos e a novas técnicas de produção de corpos belos e desejáveis são símbolo de sucesso e cosmopolitismo.

Não focando as atenções sobre as alterações corporais conseguidas através de métodos como a cirurgia plástica, a pele, metáfora constante de status social, é objeto de inúmero investimento. Mais do que uma questão de raça, na China, a pele branca revindica-se como uma questão de classe[44].

Neste ponto, é indiscutível que o marketing dos produtos cosméticos dermatológicos funciona como gatekeeper cultural[45], associando imagens de sucesso a uma pele jovem, luminosa e, inequivocamente, branca. É interessante notar que não apenas a indústria ocidental[46] promove produtos de branqueamento de pele, mas também uma crescente indústria local, que usa nos seus produtos e expõe na sua publicidade substâncias tradicionalmente associadas ao poder de aclarar a pele[47]: pérolas; leite; extratos minerais ou vegetais, numa tentativa de estabelecer laços de familiaridade com o consumidor, ao mesmo tempo que usa uma lógica de pertença, tradição e de história, a fim de legitimar o seu uso.

Já bastante discutido[48], o tema da beleza ideal feminina chinesa assenta num arquétipo de juventude, onde, a par de olhos grandes, nariz e boca pequena, a pele branca sobressai.  Neve; gelo; pérola ou jade são usados para descrever a pele feminina nos poemas clássicos chineses[49], que indica não só sua brancura, como transparência e delicadeza. Como referido anteriormente, durante séculos a cor de pele distinguia fisicamente as classes: quem tinha necessidade de trabalhar na agricultura e as elites, protegidas e, consequentemente, possuidoras de um tom de pele mais claro[50]. Deste modo, parece seguro afirmar que o ideal de beleza centrado na pele branca é anterior ao colonialismo (apesar de a China nunca ter sido formalmente colonizada) e à introdução das noções ocidentais de beleza[51]. No entanto, trabalhos recentes[52] parecem unânimes em afirmar que o aumento da procura de produtos para tornar a pele mais branca[53] revela não apenas um retomar a um conceito de beleza ancestral, mas, a par da pressão exercida pelos anúncios popularizados por uma sociedade baseada no consumo, o desejo de emular um estilo de vida ocidentalizado, cosmopolita e, consequentemente, moderno[54].

A pele perfeita, por conseguinte, é observada não só como ambicionável, mas também como uma responsabilidade individual de procura de melhoramento, seja físico, económico ou social, numa sociedade que, também pela sua dimensão, é bastante competitiva [55].

Como os cosméticos são considerados bens de luxo[56] a possibilidade de os comprar transmite às mulheres a sensação que o fazem como potencial individual, de agência e de tomada de controlo do próprio corpo[57]. Alcançar uma pele branca e perfeita, em termos conceptuais, é adquirir um capital simbólico[58], levando, então, a sugerir-se que as mulheres que escolhem branquear a pele não o estão a fazer apenas por um motivo de atingir um ideal de beleza perfeito, hegemónico ou euro-centrado: estão a exprimir o seu sucesso económico, que na ótica da ideologia confucionista se estende não apenas ao “eu” individual[59], mas também demonstra a sua capacidade de tomar conta da família – o que antes era apenas reservado para os homens. Manter a pele mais escura é observado como uma demonstração palpável de um falhanço no controlo do seu corpo, da sua progressão e do seu melhoramento, levando a baixo status social e consequente perda de auto-estima[60].

Martim Moniz e o histórico comércio “étnico”

Para quem não está familiarizado com a zona do Martim Moniz, esta é uma área de pleno crescimento no centro de Lisboa. Indo buscar o seu nome à lenda de um nobre cavaleiro que se sacrificou durante o cerco da cidade de Lisboa, permitindo que a reconquista cristã tomasse o Castelo da Cidade, dá nome a uma praça – Praça Martim Moniz – mas também a toda a uma área geográfica, sem fronteiras formais, dentro do bairro histórico da Mouraria. Conhecido pela sua miscelânea de lojas “étnicas”, desde supermercados, lojas de briq-a-braq, grossistas ou venda a retalho, restaurantes, cabeleireiros, lojas de bijutarias e prontos-a-vestir, basta cruzar a rua, ou observa-la desde uma esplanada do recém cosmopolita Largo do Intendente (na realidade Largo do Intendente Pina Manique), para se observar realidades múltiplas que se cruzam na azáfama diária.

Para além das dezenas de turistas que procuram quer retratos de uma Lisboa antiga perdida nas ruas da Mouraria ou da Graça quer uma vibe de modernidade de caos cultural, circulam indivíduos cujos retratos físicos ou peças de vestuário denunciam a sua origem. São nepaleses, paquistaneses, guineenses, bangladechianos, senegaleses, chineses, indianos e cabo-verdianos, que arrastam sacolas de compras pelo chão, saris bordados, usam turbantes ou t-shirts com brilhantes de marcas estrangeiras. Vivendo ou trabalhando na área – que inclui zonas adjacentes para além do Martim Moniz, como Anjos, Intendente ou Graça – possuem todo um conjunto de serviços que lhes permite viver. Assim, existem supermercados; lojas de viagens; gráficas; prontos-a-vestir; mesquitas e salas de oração; spas; cabeleireiros e esteticistas; lojas de livros e álbuns de música, de fonte indiana, chinesa ou nepalesa, que não só suprimem necessidades diárias como são também pontos de encontro e locais de aproximação ao local de origem.

Focando o objetivo da minha pesquisa em produtos de branqueamento de pele que são vendidos em locais de fácil acesso – supermercados ou salões de beleza fundamentalmente – percorri algumas ruas da área num exercício etnográfico de apontamento do que se compra e vende. Nesta primeira fase o objetivo da pesquisa não é falar com os intervenientes mas sim perceber o que é possível comprar, com que facilidade e a que preço, produtos que visam explicitamente branquear a pele.

Com este objetivo presente, em três dos cinco supermercados indianos que visitei, deparei-me com Fair & Lovely – o creme cosmético mais vendido na India[61], com a finalidade manifesta de tornar a pele escura mais clara – não contendo ingredientes tóxicos ou agressivos – mas cuja publicidade em televisão é continuamente alvo de críticas por conter imagens, comentários ou um script racista, colorista ou misógino.

De igual forma se pode encontrar este creme em supermercados nepaleses – como um de média dimensão mas muito frequentado numa das ruas principais da zona. Além do Fair & Lovely, dirigido para o público feminino através da sua embalagem rosa e branca, encontra-se também a sua versão masculinizada Fair & Handsome, com o mesmo propósito mas mudando a sua apresentação para uma embalagem prateada e masculina.

Neste local, que além de vender produtos de higiene e beleza também fornece um sem fim de especiarias, chás, arroz ou massas oriundos do subcontinente indiano para suprir as necessidades dos hábitos de consumo alimentares das populações migrantes que se movimentam na zona.

Para além do Fair & … foi também observada a existência de um outro produto – um creme em embalagem do tipo bisnaga – cujo cartão se apresenta como Scar Lite, e contém uma mistura (não especificada em que percentagem ou quantidade) de “Hydroquinone, Tretinoine & Mometasone Furoate”, sendo a hidroquinona uma substância proibida desde 2001 na Europa, sugerindo, portanto, que nenhum deste tipo de produto seja alvo de farmacovigilância por parte do Infarmed[62].

Qualquer um dos produtos referidos se encontra à venda de forma explícita, compreendendo preços entre os 3.95 euros (Fair & Lovely) e os 6.99 euros (Scar Lite).

Perfazendo a mesma lógica de exercício etnográfico nos supermercados chineses, nada de relevante foi encontrado. Na realidade, tratam-se de supermercados de grandes dimensões, que vendem não apenas produtos alimentares oriundos da China mas identicamente de outros países asiáticos (com especial relevância para produtos tailandeses e japoneses) como também produtos típicos de alguns países africanos e sul-americanos, sugerindo que existe comércio interativo na zona. No entanto, é já bastante percetível a emergência de um novo tipo de negócio, centrado no bem-estar e wellness e cujos proprietários são cidadãos chineses. Esse tipo de negócio inclui spas, com diversos tipos de tratamentos e massagens; centros de estética, com tratamentos estéticos para corpo e face; cabeleireiros e locais para arranjar as unhas. A primeira impressão destes locais, e que uma pesquisa mais aprofundada poderá demonstrar outra realidade, é que, enquanto que os spas se direcionam também para um publico não exclusivamente chinês (devido à presença de textos descrevendo os serviços em inglês ou em português) os locais de estética são puramente orientados para servir a comunidade chinesa: não obstante de não terem qualquer anúncio que não em língua chinesa, os funcionários, quando questionados, exprimem-se num português pouco inteligível.

Nesses locais a venda de produtos cosméticos para a pele faz-se em larga escala, onde alguns com tradução para inglês, se percebe que a sua finalidade é proporcionar uma pele lisa, sem manchas, luminosa, jovem e imaculada. Pela sua proveniência, sugerem a forte ascensão do mercado chinês e sul coreano.

Conclusão

Como referi no inicio do artigo, pouca ou nenhuma investigação é realizada em contexto europeu que cruze os procedimentos de alterações étnicas que os indivíduos migrantes executam durante a sua experiência migratória. Tendo em conta que o mundo globalizado, onde não só as pessoas estão mais em contacto, mas circulam de forma nunca antes vista, há imagens que se transforma em objetos de desejo, levantando uma série de questões que procurarei responder durante a continuidade da minha pesquisa: que influência tem o ato migratório na procura de obter um corpo socialmente aceitável? O individuo migrante reproduz técnicas também numa ótica de aceitação ou de integração numa sociedade diferente da sua? E que padrões de beleza ideal tem maior ascendência sobre o individuo?


Referências bibliográficas

  1. Evelyn Glenn, Yearning for Lightness: Transnational Circuits in the Marketing and Consumption of Skin Lighteners, “Gender & Society”, 22, 3 (2008), pp. 281-302.
  2. Marcelo Ennes & Natalia Ramos. Immigrants and Body Modification in the Consumer Society. “Management Science and Engineering”, 12, 3(2018), pp. 65- 76.
  3. Chiara Pussetti, From Ebony to Ivory: Cosmetic investments in the Body. “Anthropological Journal of European Cultures”, 28, 1 (2019), pp. 58-66.
  4. Ophelia Dadzie, & Antoine Petit, Skin Bleaching: highlighting the misuse of cutaneous depigmenting agents. “JEADV”, 23, 7 (2009), pp. 741-750.
  5. Eric P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35 (2008), pp. 444-449.
  6. Christopher Charles, The Derogatory Representations of the Skin Bleaching Products Sold in Harlem, “The Journal of Pan African Studies”, 4, 4 (2011), pp. 117- 141.
  7. Margaret L Hunter, The Persistent Problem of Colorism: Skin Tone, Status, and Inequality.  “Sociology Compass “, 1(2007), pp. 237–254.
  8. Antoine Mahe & Ali Gounongbé, The Cosmetic Use of Bleaching Products in Dakar, Senegal: Socio-economic Factors and Claimed Motivations, “Sciences Sociales et Santé,” 22, 2 (2004), pp.  5–33.
  9. Naomi Wolf, The Beauty Myth: how images of beauty are used against women, New York, William and Morrow, 1991.
  10. Samantha Kwan & Mary Nell Trautner, Beauty Work: Individual and Institutional Rewards, the Reproduction of Gender and Questions of Agency, “Sociology Compass”,  3, 1 (2009), pp. 49-71.
  11. Marika Tiggermann, Gender Differences in the Interrelationship between Weight Dissatisfaction, restraint and sef-esteem, “Sex Roles”, 20 (1994), pp.  319-30.
  12. Kathy Davis, Reshaping the Female Body: The Dilemma of Cosmetic Surgery, New York, Routledge, 1995.
  13. Susan Bordo, Unbearable Weight: Feminism, Western Culture, 10th ed. Berkeley, University of California Press, 2003.
  14. Sandra Lee Bartky, Foucault, Femininity and the Modernization of Patriarchal Power. The Politics of women’s Bodies, Rose Weitz, ed. Second Edition, New York: Oxford University Press, 2003.
  15. Susan Bordo, Unbearable Weight: Feminism, Western Culture, 10th ed. Berkeley, University of California Press, 2003.
  16. Rosalind Gill, From sexual objectivation to sexual subjectivation: the ressexualization of women!, “Bodies in the Media, Feminist Media Studies”, 3/1. (2003).
  17. Candace West & Don H. Zimmerman, Doing gender, “Gender & Society”, 1 (1987), pp. 125-151.
  18. Kathy Deliovsky, Normative White Femininity: Race, Gender and the Politics of Beauty, Atlantis 33, 1 (2008), pp. 49 – 59.
  19. Ranjavati Banerji, In the dark: what is behind India’ s obsession with skin whitening? New Statesman. 2016. https://www.newstatesman.com/politics/feminism/2016/01/dark-what-behind-india-s-obsession-skin-whitening
  20. Aneel Karnani, Doing well by doing good- case study: “Fair & Lovely” whitening cream, “Strategic Manage Journal” 28 (2007), pp. 1351- 1357.
  21. Varsha Ayyar & Lalit Khandare,  Mapping Color and Caste Discrimination in Indian Society in Hall, R.E (ed.), The Melanin Millennium: Skin Color as 21st Century International Discourse, Springer (2013), pp. 71-95
  22. Partha Chatterjee, Nationalism, and Colonialized Women: The Contest in India. “American Ethnologist”, 16, 4 (1989), pp.  622-633.
  23. Maitrayee Chaudhuri, Gender, Media and Popular Culture in Global India, in Leela Fernandes (ed.), Routledge Handbook of Gender in South Asia, Routledge Handbooks, 2014.
  24. Eric P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35 (2008), pp. 444-449.
  25. Radhika Parameswaran, Global Queens, national celebrities: tales of Feminine Triumph in post-Liberalization India. “Critical Studies in MEDIA Communications”, 21, 4 (2004), pp. 346-370.
  26. Ronald E. Hall, The color complex: The Bleaching syndrome, “Race, Gender & Class”, 2 (1995), pp.  99-110.
  27. Varsha Ayyar  & Lalit Khandare, Mapping Color and Caste Discrimination in Indian Society in Hall, R.E (ed.), The Melanin Millennium: Skin Color as 21st Century International Discourse. Springer (2013), pp.  71-95
  28. Mary Douglas, Purity and Danger: an analysis of concepts of pollution and taboo, London, Routledge, 1966.
  29. L. Ayu Saraswati, Seeing Beauty, Sensing Race in Transnational Indonesia, University of Hawaii Press, 2013. 
  30. Varsha Ayyar  & Lalit Khandare, Mapping Color and Caste Discrimination in Indian Society in Hall, R.E (ed.), The Melanin Millennium: Skin Color as 21st Century International Discourse. Springer (2013), pp.  71-95
  31. Ibidem.
  32. Nicholas B. Dirks, Castes of Mind: colonialism and the making of modern India, Princeton, Princeton University Press, 2001.
  33. Amali Philips, Gendering colour: indentity, femininity and marriage in Kerala, “Anthropologica”, 2 (2004),pp. 253-272
  34. Nicole Leistikow, Indian women criticize ‘Fair & Lovely’ ideal. Women’s eNews, 28 April 2003. disponível em https://womensenews.org/2003/04/indian-women-criticize-fair-and-lovely-ideal/
  35. Aneel Karnani, Doing well by doing good- case study: “Fair & Lovely” whitening cream, “Strategic Manage Journal”,  28 (2007), pp. 1351- 1357.
  36. Evelyn Glenn, Yearning for Lightness: Transnational Circuits in the Marketing and Consumption of Skin Lighteners, “Gender & Society”, 22, 3 (2008), pp. 281-302.
  37. Margaret Hunter, Buying Racial Capital: Skin Bleaching and Cosmetic Surgery in a Globalized World, “The Journal of Pan African Studies,” 4,4 (2011), pp.  142- 164.
  38. Maitrayee Chaudhuri, Gender, Media and Popular Culture in Global India, in Leela Fernandes (ed.), Routledge Handbook of Gender in South Asia, Routledge Handbooks, 2014.
  39. K. Sylvia, Hegemonic Whiteness: A Qualitative Fairness of Advertisements in India. The Texas State Undergraduate Research Journal, 2014, Volume II Issue I, disponível em https://digital.library.txstate.edu/bitstream/handle/10877/7299/TXSTUR%20Vol%20II%20Issue%20I.pdf?sequence=1&isAllowed=y
  40. Kavita Karan, Obsessions with fair skin: color discrimination in Indian Advertising, “Advertising & Society Review”, 12, 2 (2008), pp. 1-15.
  41. Aneel Karnani, Doing well by doing good- case study: “Fair & Lovely” whitening cream, “Strategic Manage Journal”,  28 (2007), pp. 1351- 1357.
  42. Yunxiang Gao, Nationalist and feminist discourses on jianmei (robust beauty) during China’s ‘national crisis’ in the 1930s, “Gender & History”, 18, 3 (2006), pp. 546-573.
  43. Ibidem.
  44. Eric P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35 (2008), pp. 444-449.
  45. Angela Ka Ying Mak, Advertising Whiteness: an assessment of skin color preferences among urgan Chinese, “Visual Communication Quarterly”, 14, 3 (2007), pp. 144- 157.
  46. Huong-Yok Ip, Fashioning appearences: Feminine beauty in Chinese communist revolutionary culture, “Modern China”, 29, 3 (2003), pp. 329-261.
  47. Idibem.
  48. Idibem.
  49. Barbara E. Hopkins, Western Cosmetics in the gendered Development of Consumer culture in China, “Feminist Economics”, 13, 3-4 (2007), pp.  287-306.
  50. Meng Zhang, A Chinese beauty story: how college women in China negotiate beauty, body image and mass media, “Chinese Journal of Communication”, 5, 4 (2012), pp. 437-454.
  51. Angela Ka Ying Mak, Advertising Whiteness: an assessment of skin color preferences among urgan Chinese, “Visual Communication Quarterly”, 14, 3 (2007), pp. 144- 157.
  52. Eric P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35 (2008), pp. 444-449.
  53. Idibem.
  54. Meng Zhang, A Chinese beauty story: how college women in China negotiate beauty, body image and mass media, “Chinese Journal of Communication”, 5, 4 (2012), pp.  437-454.
  55. Idibem.
  56. Angela Ka Ying Mak, Advertising Whiteness: an assessment of skin color preferences among urgan Chinese, “Visual Communication Quarterly”, 14, 3 (2007), pp. 144- 157.
  57. Eric P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35 (2008), pp. 444-449.
  58. Idibem.
  59. Meng Zhang, A Chinese beauty story: how college women in China negotiate beauty, body image and mass media, “Chinese Journal of Communication”, 5, 4 (2012), pp.  437-454.
  60. Angela Ka Ying Mak, Advertising Whiteness: an assessment of skin color preferences among urgan Chinese, “Visual Communication Quarterly”, 14, 3 (2007), pp. 144- 157.
  61. Barbara E. Hopkins, Western Cosmetics in the gendered Development of Consumer culture in China, “Feminist Economics”,  13, 3-4 (2007), pp.  287-306.
  62. Mikiko Ashikari, Cultivating Japanese Whiteness: The Whitening Cosmetic Boom and the Japanese Identity, “Journal of Material Culture”, 10, 1 (2005), pp. 73- 91.
  63. Lianxi Zhou &  Michael Hui, Symbolic Value of Foreign products in the People’s Republic of China, “Journal of International Marketing”, 11, 2 (2003), pp. 36- 58.
  64. Wen Hua, Buying Beauty: Cosmetic Surgery in China,  Hong Kong University Press, 2013.
  65. Joanne Rondilla, Filipinos and the color complex: Ideal Asian beauty, in E. N. Glenn (Ed.) Shades of difference: Why Skin color matters. Stanford: Stanford University Press, 2009, pp. 63-80,  
  66. Eric P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35 (2008), pp. 444-449.
  67. Pierre Bourdieu,  Distinction: A Social Critique of the Judgement of Taste. London: Routledge, 1984.
  68. Evelyn Yeung, White and Beautiful: An examination of skin whitening practices and female empowerment in China, “On our terms: the undergraduate journal of the Athena Center for Leadership Studies at Barnard College,” 3, 1 (2015), pp.  35-47.
  69. Eric P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35 (2008), pp. 444-449.
  70. Aneel Karnani,  Doing well by doing good- case study: “Fair & Lovely” whitening cream,  “Strategic Manage Journal”, 28 (2007), pp. 1351- 1357.

[1] E. Glenn, Yearning for Lightness: Transnational Circuits in the Marketing and Consumption of Skin Lighteners, “Gender & Society”, 22, 3, 2008, pp. 281-302.

[2] Ressalvam-se os trabalhos de Ennes e Ramos (M. Ennes & N, Ramos, Immigrants and Body Modification in the Consumer Society. “Management Science and Engineering”, 12, 3, 2018, pp. 65- 76 que cruzam as modificações corporais através das cirurgias estéticas étnicas e a população migrante e os de Chiara Pussetti (From Ebony to Ivory: Cosmetic investments in the Body. “Anthropological Journal of European Cultures”, 28, 1, 2019, pp. 58-663) sobre a construção de um “corpo ideal” branco Europeu. 

[3] O. Dadzie, & Antoine Petit, Skin Bleaching: highlighting the misuse of cutaneous depigmenting agents. “JEADV”, 23, 7, 2009, pp. 741-750.

[4] E. P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35, 2008, pp. 444-449.

[5] C. Charles, The Derogatory Representations of the Skin Bleaching Products Sold in Harlem, “The Journal of Pan African Studies”, 4, 4, 2011, pp. 117- 141.

[6] M. L. Hunter, The Persistent Problem of Colorism: Skin Tone, Status, and Inequality.  “Sociology Compass “, 1, 2007, pp. 237–254.

[7] A. Mahe & A. Gounongbé, The Cosmetic Use of Bleaching Products in Dakar, Senegal: Socio-economic Factors and Claimed Motivations, “Sciences Sociales et Santé,” 22, 2, 2004, pp.  5–33.

[8] N. Wolf, The Beauty Myth: how images of beauty are used against women, New York, William and Morrow, 1991.

[9] S. Kwan & M. N. Trautner, Beauty Work: Individual and Institutional Rewards, the Reproduction of Gender and Questions of Agency, “Sociology Compass”,  3, 1, 2009, pp. 49-71.

[10] M. Tiggermann, Gender Differences in the Interrelationship between Weight Dissatisfaction, restraint and sef-esteem, “Sex Roles”, 20, 1994, pp.  319-30.

[11] K. Davis, Reshaping the Female Body: The Dilemma of Cosmetic Surgery, New York, Routledge, 1995.

[12] S. Bordo, Unbearable Weight: Feminism, Western Culture, 10th ed. Berkeley, University of California Press, 2003.

[13] S. L. Bartky, Foucault, Femininity and the Modernization of Patriarchal Power. The Politics of women’s Bodies, Rose Weitz, ed. Second Edition, New York: Oxford University Press, 2003.

[14] S. Bordo, Unbearable Weight: Feminism, Western Culture, 10th ed. Berkeley, University of California Press, 2003.

[15] R. Gill, From sexual objectivation to sexual subjectivation: the ressexualization of women!, “Bodies in the Media, Feminist Media Studies”, 3/1, 2003.

[16] C. West & D. H. Zimmerman, Doing gender, “Gender & Society”, 1 (1987), pp. 125-151.

[17] K. Deliovsky, Normative White Femininity: Race, Gender and the Politics of Beauty, Atlantis 33, 1 (2008), pp. 49 – 59.

[18] Ranjavati Banerji, In the dark: what is behind India’ s obsession with skin whitening? New Statesman. 2016.

https://www.newstatesman.com/politics/feminism/2016/01/dark-what-behind-india-s-obsession-skin-whitening. Cfr., A. Karnani, Doing well by doing good- case study: “Fair & Lovely” whitening cream, “Strategic Manage Journal” 28 (2007), pp. 1351- 1357.

[19] V. A. & L. Khandare,  Mapping Color and Caste Discrimination in Indian Society in Hall, R.E (ed.), The Melanin Millennium: Skin Color as 21st Century International Discourse, Springer, 2013, pp. 71-95. Cfr., P. Chatterjee, Nationalism, and Colonialized Women: The Contest in India. “American Ethnologist”, 16, 4 (1989), pp.  622-633. Cfr. M. Chaudhuri, Gender, Media and Popular Culture in Global India, in Leela Fernandes (ed.), Routledge Handbook of Gender in South Asia, Routledge Handbooks, 2014. Cfr., E. P. Li, Hyun Jeong Min, R. W. Belk, J. Kimura, & S. Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35 (2008), pp. 444-449.

R.Parameswaran, Global Queens, national celebrities: tales of Feminine Triumph in post-Liberalization India. “Critical Studies in MEDIA Communications”, 21, 4, 2004, pp. 346-370.

[20] R.E. Hall, The color complex: The Bleaching syndrome, “Race, Gender & Class”, 2 (1995), pp.  99-110.

[21] V.Ayyar  & L. Khandare, Mapping Color and Caste Discrimination in Indian Society in Hall, R.E (ed.), The Melanin Millennium: Skin Color as 21st Century International Discourse. Springer, 2013, pp.  71-95

[22] M. Douglas, Purity and Danger: an analysis of concepts of pollution and taboo, London, Routledge, 1966.

[23] L. Ayu Saraswati, Seeing Beauty, Sensing Race in Transnational Indonesia, University of Hawaii Press, 2013.

[24] V.Ayyar  & L. Khandare, Mapping Color and Caste Discrimination in Indian Society in Hall, R.E (ed.), The Melanin Millennium: Skin Color as 21st Century International Discourse. Springer, 2013, pp.  71-95

[25] Ibidem.

[26] N.B. Dirks, Castes of Mind: colonialism and the making of modern India, Princeton, Princeton University Press, 2001.

[27] Amali Philips, Gendering colour: indentity, femininity and marriage in Kerala, “Anthropologica”, 2, 2004, pp. 253-272.

[28]N. Leistikow, Indian women criticize ‘Fair & Lovely’ ideal. Women’s eNews, 28 April 2003. disponível em https://womensenews.org/2003/04/indian-women-criticize-fair-and-lovely-ideal/

[29] A. Karnani, Doing well by doing good- case study: “Fair & Lovely” whitening cream, “Strategic Manage Journal”,  28, 2007, pp. 1351- 1357.

[30] E. Glenn, Yearning for Lightness: Transnational Circuits in the Marketing and Consumption of Skin Lighteners, “Gender & Society”, 22, 3 (2008), pp. 281-302.

[31] M. Hunter, Buying Racial Capital: Skin Bleaching and Cosmetic Surgery in a Globalized World, “The Journal of Pan African Studies,” 4,4 (2011), pp.  142- 164.

[32] M. Chaudhuri, Gender, Media and Popular Culture in Global India, in Leela Fernandes (ed.), Routledge Handbook of Gender in South Asia, Routledge Handbooks, 2014.

[33] K. Sylvia, Hegemonic Whiteness: A Qualitative Fairness of Advertisements in India. The Texas State Undergraduate Research Journal, 2014, Volume II Issue I, disponível em https://digital.library.txstate.edu/bitstream/handle/10877/7299/TXSTUR%20Vol%20II%20Issue%20I.pdf?sequence=1&isAllowed=y ; cfr., K. Karan, Obsessions with fair skin: color discrimination in Indian Advertising, “Advertising & Society Review”, 12, 2, 2008, pp. 1-15.

[34] A. Karnani, Doing well by doing good- case study: “Fair & Lovely” whitening cream, “Strategic Manage Journal”,  28, 2007, pp. 1351- 1357.

[35] Y. Gao, Nationalist and feminist discourses on jianmei (robust beauty) during China’s ‘national crisis’ in the 1930s, “Gender & History”, 18, 3 (2006), pp. 546-573.

[36] Ibidem.

[37] E. P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, J. Kimura, & S. Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35, 2008, pp. 444-449.

[38] A. Ka Ying Mak, Advertising Whiteness: an assessment of skin color preferences among urgan Chinese, “Visual Communication Quarterly”, 14, 3, 2007, pp. 144- 157.

[39] H.Y. Ip, Fashioning appearences: Feminine beauty in Chinese communist revolutionary culture, “Modern China”, 29, 3, 2003, pp. 329-261.

[40] Ibidem.

[41] Ibidem.

[42] https://www.wto.org/english/thewto_e/whatis_e/tif_e/org6_e.htm

[43] B. E. Hopkins, Western Cosmetics in the gendered Development of Consumer culture in China, “Feminist Economics”, 13, 3-4,2007, pp.  287-306.

[44] M. Zhang, A Chinese beauty story: how college women in China negotiate beauty, body image and mass media, “Chinese Journal of Communication”, 5, 4, 2012, pp. 437-454.

[45] Angela Ka Ying Mak, Advertising Whiteness: an assessment of skin color preferences among urgan Chinese, “Visual Communication Quarterly”, 14, 3, 2007, pp. 144- 157.

[46] Para não alongar mais o assunto, uma chamada de atenção para a influencia que países vizinhos têm nesta configuração, em especial o Japão e a Coreia do Sul.

[47]   E. P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35, 2008, pp. 444-449.

[48] Idibem; cfr., M. Zhang, A Chinese beauty story: how college women in China negotiate beauty, body image and mass media, “Chinese Journal of Communication”, 5, 4 (2012), pp.  437-454.

[49] Idibem.

[50] A. Ka Ying Mak, Advertising Whiteness: an assessment of skin color preferences among urgan Chinese, “Visual Communication Quarterly”, 14, 3, 2007, pp. 144- 157.

[51] E. P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35, 2008, pp. 444-449.

[52] Idibem cfr., M. Zhang, A Chinese beauty story: how college women in China negotiate beauty, body image and mass media, “Chinese Journal of Communication”, 5, 4, 2012, pp.  437-454. Cfr., A. Ka Ying Mak, Advertising Whiteness: an assessment of skin color preferences among urgan Chinese, “Visual Communication Quarterly”, 14, 3, 2007, pp. 144- 157; e B. E. Hopkins, Western Cosmetics in the gendered Development of Consumer culture in China, “Feminist Economics”,  13, 3-4, 2007, pp.  287-306.

[53] M. Ashikari, Cultivating Japanese Whiteness: The Whitening Cosmetic Boom and the Japanese Identity, “Journal of Material Culture”, 10, 1, 2005, pp. 73- 91.

[54] É relevante salientar que trabalhos sobre consumo de produtos de luxo na China revelam que marcas estrangeiras beneficiam de um significado simbólico que as associa inequivocamente a prestigio e modernidade, L. Zhou &  M. Hui, Symbolic Value of Foreign products in the People’s Republic of China, “Journal of International Marketing”, 11, 2, 2003, pp. 36- 58.

[55] W. Hua, Buying Beauty: Cosmetic Surgery in China,  Hong Kong University Press, 2013.

[56] J. Rondilla, Filipinos and the color complex: Ideal Asian beauty, in E. N. Glenn (Ed.) Shades of difference: Why Skin color matters. Stanford: Stanford University Press, 2009, pp. 63-80.

[57] E. P. Li, Hyun Jeong Min, R. W. Belk, J. Kimura, & . Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35, 2008, pp. 444-449.

[58] P. Bourdieu,  Distinction: A Social Critique of the Judgement of Taste. London: Routledge, 1984.

[59] E. Yeung, White and Beautiful: An examination of skin whitening practices and female empowerment in China, “On our terms: the undergraduate journal of the Athena Center for Leadership Studies at Barnard College,” 3, 1, 2015, pp.  35-47.

[60] E. P. Li, Hyun Jeong Min, Russel W. Belk, Junko Kimura, & Shalini Bahl, Skin Lightening and beauty in four Asian culture, “Advances in Consume Research”, 35, 2008, pp. 444-449.

[61] A. Karnani,  Doing well by doing good- case study: “Fair & Lovely” whitening cream,  “Strategic Manage Journal”, 28, 2007, pp. 1351- 1357.

[62] Em Portugal o Infarmed é Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, cuja missão é regular e supervisionar os sectores dos medicamentos e produtos de saúde, dispositivos médicos e produtos cosméticos e de higiene corporal.

  • author's avatar

    By: Isabel Pires

    Isabel Pires is an anthropologist and Master in Migrations, Inter-Ethnic and Transnationalism. She integrates the research project EXCEL. The pursuit of excellence: Biotechnologies, enhancement and body capital in Portugal (PTDC/SOC-ANT/30572/2017), where she is most dedicated to the task of Ethnic Cosmetic Practices and Colonial Legacy, investigating the uses of skin whitening products in Asian and African descendants in Lisbon.

  • author's avatar


  • author's avatar


    See all this author’s posts

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply

Il tuo indirizzo email non sarà pubblicato. I campi obbligatori sono contrassegnati *